Mercado global de cibersegurança em Infra-estuturas críticas cresce – Security Magazine

O mercado global de infra-estruturas críticas de cibersegurança irá atingir os 24,22 mil milhões de dólares até 2030, estima a Frost & Sullivan, num estudo consultado pela Security Magazine.

A análise recente da Frost & Sullivan conclui que, embora as organizações e as empresas de consumo continuem a ser alvos populares para os ciberataques, as infra-estruturas críticas tornaram-se alvos de ameaças cada vez mais viáveis. São altamente vulneráveis a grandes perturbações operacionais e incidentes cibernéticos que podem conduzir a perigos do mundo real.

Apesar do crescente panorama de ameaças e do seu perfil de risco incrivelmente elevado, as organizações de infra-estruturas críticas permanecem “muito aquém do que deveriam estar nas suas estratégias de maturidade cibernética e de resiliência digital, necessitando de um impulso rápido para fortalecer as defesas cibernéticas e gerir os seus perfis de risco cibernético”, diz.

O mercado global de infra-estruturas críticas de cibersegurança – que está segmentado em instalações de petróleo e gás, serviços públicos (electricidade e água), marítimos (portos e pontos de entrada), e aeroportos – está estimado em atingir 24,22 mil milhões de dólares até 2030, contra 21,68 mil milhões de dólares em 2020. O estudo inclui factores de crescimento, prioridades dos clientes, e previsões de gastos em todas as verticais e regiões.

“Enquanto as instalações petrolíferas e de gás continuarão a ser o maior segmento a investir em soluções de cibersegurança, os aeroportos provarão ser o de mais rápido crescimento, com um CAGR de 10,1%. Espera-se que as despesas atinjam 1,87 mil milhões de dólares até 2030”, disse Danielle VanZandt, Analista Industrial de Segurança da Frost & Sullivan.

“Isto é impulsionado pela construção em curso de novas instalações, melhorias significativas de digitalização dentro dos aeroportos existentes, e as actualizações incrementais que estão a ser feitas aos sistemas de cibersegurança para acompanhar a mudança do cenário da ameaça cibernética e melhorar as capacidades de detecção. “

“Espera-se que a África seja a região de mais rápido crescimento, seguida de perto pela Ásia-Pacífico. Muito do investimento em ambas as regiões provém de novas instalações em construção, renovadas, ou expandidas que requerem a instalação de novos sistemas de cibersegurança, bem como a mudança da consciência dos consumidores quanto aos seus riscos de cibersegurança. O Médio Oriente continuará a ser o maior mercado e continuará a fortificar as suas defesas cibernéticas e a proteger contra as ameaças cibernéticas prevalecentes”.

Os participantes no mercado devem concentrar-se nos seguintes pontos para explorar as perspectivas de crescimento lucrativo:

Monitorização do tráfego de dados para sistemas tecnológicos operacionais: Os fornecedores devem assegurar que as suas soluções de monitorização podem detectar as acções de activos activos e passivos e todos os tipos de tráfego de dados, depois decidir a melhor forma de analisar os dados.

Soluções de topologia de rede para avaliação da vulnerabilidade e do risco: Os participantes no mercado que procuram fornecer capacidades de topologia de rede precisam de assegurar que podem identificar e descobrir a variedade de tecnologia de informação (TI), Internet das Coisas (IoT), e dispositivos de tecnologia operacional (OT) dentro da arquitectura de rede de uma organização para começar a construir o modelo topológico.

Descoberta contínua de bens organizacionais: Para os fornecedores de segurança, a ênfase na monitorização contínua e nas tarefas de descoberta automática ajudará a atrair novos clientes e a melhorar a sua quota de mercado.

Análise preditiva e inteligência de ameaças para detecção de incidentes: Os fornecedores de soluções de cibersegurança devem enfatizar as capacidades automáticas e preditivas nos seus testes de sistemas e provas de conceito com os clientes para mostrar como estes sistemas não irão sobrecarregar as suas funções de segurança existentes.

Iniciativas Secure-by-design para os activos e sistemas de tecnologia operacional: Os operadores de segurança que pretendam actualizar activos e dispositivos OT mais antigos devem analisar quaisquer componentes que não tenham sido concebidos através do fabrico “secure-by-design”.

Se gosta desta notícia, subscreva gratuitamente a newsletter da Security Magazine.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *