Falhas no controlo de cibersegurança são principal risco emergente – Security Magazine

As falhas no controlo de cibersegurança foram listadas como o principal risco emergente no primeiro trimestre de 2021, de acordo com o último Relatório de Monitorização de Risco Emergente da Gartner.

O inquérito global visou 165 altos executivos. Entre os quais 67% indicaram o risco de cibersegurança como uma grande preocupação, com consistência em todas as regiões geográficas e na maioria das indústrias.

Isto aconteceu apesar de uma série de riscos decorrentes da pandemia. Tais como as novas preocupações ambientais e ambientais, sociais e de governação (ESG) no local de trabalho.

Muitas empresas foram forçadas a implementar soluções rápidas para graves lacunas operacionais como resultado das suas respostas iniciais à pandemia.

Em lado nenhum isto foi mais evidente do que nas políticas de cibersegurança que privilegiaram a segurança no local de trabalho em detrimento do acesso seguro ao trabalho remoto.

Os executivos responsáveis por estas áreas estão a aperceber-se de que agora é o momento de promulgar políticas mais sustentáveis e robustas.

Os riscos internos relacionados com as capacidades operacionais e culturais de uma empresa continuaram a ser os mais prementes para os executivos inquiridos.

Acredita-se que as preocupações dos executivos em relação às falhas no controlo da cibersegurança decorrem da pressa induzida pela pandemia para implementar o trabalho à distância e as consequentes paragens.

As equipas de TI foram forçadas a estender rapidamente o acesso VPN por toda a organização. E as equipas de segurança tiveram de reorientar imediatamente as suas posturas de risco, passando de um enfoque na segurança das operações no local de trabalho para o desenvolvimento de políticas de acesso ao trabalho à distância em tempo real.

Embora as questões de gestão de acesso fossem o foco da resposta inicial. O consenso entre os executivos inquiridos sugere que é necessário fazer mais trabalho à medida que o aumento do trabalho remoto se torna uma característica permanente do novo ambiente de trabalho.

Para além da classificação no topo da lista de riscos emergentes neste trimestre, o controlo de cibersegurança também ocupa a terceira posição geral em “velocidade do risco”. Isso indica a rapidez do risco e o impacto que este teria se se materializasse. As falhas no controlo da cibersegurança estão apenas atrás da implantação prolongada de vacinas. Assim como os riscos de reputação do jornalismo cidadão na rapidez da análise de risco.

Se gosta desta notícia, subscreva gratuitamente a newsletter da Security Magazine.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *