Investimentos em cibersegurança aumentaram no último ano – Security Magazine

“Priorizar a cibersegurança e investir no alargamento da protecção, detecção e medidas de resposta ou enfrentar o desastre”, é a mensagem do Analista Chefe da Canalys Matthew Ball. De acordo com a última análise de Canalys, esta é a dura realidade enfrentada pelas organizações em 2021. Para muitos, é demasiado tarde.

A crise da violação de dados agravou-se no ano passado, uma vez que foram comprometidos mais registos em apenas 12 meses do que nos 15 anos anteriores combinados.

Os ataques de resgate surgiram com “consequências trágicas, uma vez que os hospitais foram especificamente visados”, aponta a Canalys. Várias organizações de alto nível “cessaram as suas actividades em 2020 e as organizações sobreviventes tiveram de implementar rapidamente medidas de continuidade empresarial em resposta à pandemia COVID-19 ou enfrentar a ruína”.

Esta situação deixou muitas empresas expostas por agendes de ameaça altamente organizados e sofisticados.

Num novo relatório especial “Now and Next for the cybersecurity industry” a Canalys observa que o investimento em cibersegurança ultrapassou outros segmentos da indústria de TI em 2020, crescendo 10% para 53 mil milhões de dólares.

No entanto, a continuidade do negócio e a produtividade da força de trabalho tiveram precedência sobre a segurança durante a pandemia. De acordo com as estimativas do Canalys, “os serviços de infra-estruturas na nuvem cresceram 33% em 2020 para 122 mil milhões de dólares, representando um aumento de 45 mil milhões de dólares em gastos anuais contra 2019”.

Os serviços de software na nuvem aumentaram mais de 20% durante o mesmo período. As receitas comunicadas do Zoom saltaram mais de 300%, enquanto o Microsoft Office 365 e o Salesforce mantiveram um forte crescimento de dois dígitos”.

Os envios de computadores portáteis também tiveram um ano recorde, crescendo 17%, e prevê-se que cresçam ainda mais em 2021. O negócio de webcam da Logitech também atingiu um recorde, aumentando 138% numa base de quatro trimestres consecutivos. E o crescimento das vendas de routers Wi-Fi domésticos excedeu 40%, uma vez que os trabalhadores em teletrabalho procuravam melhorar a sua conectividade, enquanto que as impressoras domésticas e a tinta esgotaram.

“A cibersegurança deve estar à frente e no centro dos planos digitais, caso contrário haverá uma extinção em massa de organizações, o que ameaçará a recuperação económica pósCOVID-19”, disse Ball. “Um lapso no enfoque da cibersegurança já está a ter grandes repercussões, resultando na escalada da actual crise de violação de dados e na aceleração dos ataques de resgates”.

Se gosta desta notícia, subscreva gratuitamente a newsletter da Security Magazine.

pub

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *