Empresas querem alargar investimento em tecnologia de comunicação de emergência – Security Magazine

O BCI publicou a 6ª edição do Relatório de Comunicação de Emergência do BCI. Esta publicação anual, patrocinada pela F24 este ano, fornece informações sobre a forma como as organizações comunicam numa emergência, os principais desafios de comunicação que as organizações enfrentam, e como a tecnologia está a ajudar a ajudar nos processos de comunicação.

Segundo o documento, as organizações estão a afastar-se de ferramentas de mensagens sociais como a WhatsApp e a utilizar mais ferramentas de colaboração como as equipas da Microsoft, que também estão a ser utilizadas em situações de incidentes.

Muitas organizações, que têm vindo a utilizar ferramentas/software de colaboração pela primeira vez em 2020, estão agora a procurar alargar o investimento em soluções especializadas de tecnologia de comunicação de emergência.

Com o aumento do trabalho remoto, a utilização de software como serviço (SaaS) continuou a aumentar em 2020 com três quartos das organizações que o utilizam agora – em comparação com os 16 por cento que utilizam software instalado no local. As tecnologias SaaS têm a vantagem de poderem ser implementadas rapidamente em múltiplos dispositivos e de os planos serem activados mais rapidamente.

O custo continua a ser o principal obstáculo – especialmente para organizações mais pequenas – ao investimento em soluções de comunicações de emergência. 30% das organizações que não têm ferramentas ou software dedicados dizem que o custo é a principal barreira. No entanto, as entrevistas no relatório mostraram que, devido à COVID-19, os quadros superiores estão interessados em investir em ferramentas de soluções de comunicações de emergência – mostrando a necessidade de tal ferramenta ser empregada.

Os tempos de activação estão a tornar-se mais rápidos: 41% das organizações podem agora activar os seus planos dentro dos “cinco minutos dourados” – em comparação com os 32% em 2019. Embora parte desta melhoria possa ser atribuída ao aumento da utilização das tecnologias SaaS, parte dela deve-se ao aumento da formação e do exercício dos planos. Muitas organizações relataram que a COVID-19 resultou em múltiplas activações este ano, as quais ajudaram a destacar questões que causaram atrasos na activação.

Em 2020, 57,5% das organizações reportaram o uso de salas de crise virtuais – em comparação com 54,5% que reportaram o uso de uma sala de crise física – mas com a maioria das organizações com menos pessoal no local, espera-se que a mudança para ambientes virtuais aumente.

O nível de formação e exercício realizado nas organizações permaneceu inalterado em 2020. Três quartos das organizações ainda conseguiram exercer planos de comunicação de emergência este ano e 82% conseguiram exercer planos. As activações da vida real devidas à COVID-19 também funcionaram como instrumento de formação e são susceptíveis de ser um factor de tempos de resposta mais rápidos e de cumprimento dos objectivos de tempo de resposta.

A comunicação com o pessoal foi a principal preocupação das organizações em 2020: pouco mais de metade (52,2%) admitiu que a comunicação com o pessoal foi o seu principal desafio durante um incidente, mas apenas dois terços (68,2%) mantiveram os dados de contacto dos funcionários actualizados.

O número de organizações capazes de atingir os seus tempos de resposta esperados aumentou pelo quarto ano consecutivo para 78,5 por cento.
Os quadros superiores são frequentemente o ponto que falha em muitas organizações: muitas estiveram tão fortemente envolvidas na resposta da COVID-19, que não participaram em sessões de formação.
Quase três quartos das organizações ainda têm sido capazes de realizar formação para planos de comunicação de emergência pelo menos de doze em doze meses.

pub

A continuidade empresarial e a gestão de crises estão frequentemente a assumir a responsabilidade conjunta pela gestão do processo de comunicação de emergência.

O surto de doenças representou mais de metade (51,7%) das activações dos planos de comunicação de emergência em 2020, em comparação com apenas 2,7% em 2019.

O aumento dos ataques de phishing este ano resultou num aumento dos alertas para incidentes de cibersegurança ou violações de dados de 19,7% em 2019 para pouco menos de um quarto (24,7%) agora.
Um aumento de notícias falsas este ano tem sido um desafio para as organizações: fontes não oficiais de notícias estão a ser mais frequentemente utilizadas para informação do que as oficiais.

As organizações procuram cada vez mais automatizar a actualização de dados sobre sistemas de comunicação de emergência através da sincronização com os registos de RH. 49,0% das organizações relatam que esta é agora uma prática padrão em comparação com os 43,0% em 2019.

A adopção de dispositivos de Internet das coisas (IoT) como parte de um plano de comunicações de emergência não registou qualquer aumento em 2020: muitos ainda estão desconfiados da eficácia quando todos os dados precisam de ser totalmente verificados por um humano antes de serem escalados.

Se gosta desta notícia, subscreva gratuitamente a newsletter da Security Magazine.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *