Microsoft é usada em 43% das tentativas de phishing a nível mundial – BusinessIT

A empresa de cibersegurança acaba de publicar o Brand Phishing Report referente ao último trimestre de 2020, no qual se destacam as marcas mais utilizadas pelos cibercriminosos para roubar informações e credenciais pessoais através de ataques de phishing.

À semelhança do trimestre anterior, a Microsoft manteve-se no lugar de topo entre as marcas mais frequentemente imitadas, registando-se um aumento significativo das tentativas de phishing nas quais foi utilizada – de 19% no terceiro trimestre de 2020, para 43% no quarto e último. E

A Check Point Research, área de Threat Intelligence da tecnológica, revela que DHL (18%), LinkedIn (6%),   Amazon (5%), Rakuten (4%),  IKEA (3%),  Google (2%), Paypal (2%), Chase (2%) e Yahoo (1%) compõem o top 10 das marcas mais usadas pelos hackers.

 Há, assim, um claro destaque no uso do nome das empresas de tecnologia, seguida das de distribuição e logística e do retalho nos ataque perpetrados para enganar os utilizadores, imitando o site oficial de uma marca para roubar credenciais, detalhes de pagamento, entre outras informações pessoais dos utilizadores.

«Durante o quarto trimestre de 2020, os cibercriminosos aumentaram as suas tentativas de roubar os dados pessoais das pessoas através da imitação de marcas líderes, e os nossos dados demonstram claramente como têm mudado as suas tácticas de phishing para aumentar as suas hipóteses de sucesso», afirma Maya Horowitz, director threat intelligence & research, products na Check Point.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *