Piaget. Smart campus no polo de Almada dá as boas-vindas ao futuro – Jornal i

O Instituto Piaget adotou o conceito de smart campus no ano letivo 2020/21. O polo universitário de Almada foi o palco escolhido para a realização do projeto-piloto, que surge no âmbito do conceito smart education – previsto formalmente pelo Governo e pela Comissão Europeia – e tem como parceiro tecnológico a Huawei Portugal.

Pelo impacto que a tecnologia digital tem em todas as áreas da vida, em particular na educação, e pela importância de preparar os jovens para se movimentarem no mundo digital, existem duas perspetivas distintas mas complementares sobre a educação digital: o desenvolvimento de competências digitais importantes para alunos e professores e a utilização pedagógica destas tecnologias para transformar e melhorar a aprendizagem e o ensino dessas competências.

As novas tecnologias digitais, como os sistemas de inteligência artificial, a tecnologia 5G, a computação em nuvem e de proximidade e a internet das coisas, constituem-se, no seu conjunto, como um dos principais alicerces da transição energética da economia, em particular dos setores industriais estratégicos para Portugal e do seu tecido empresarial. Como tal, a transição digital deve ser assumida como catalisador da transformação industrial em curso, no sentido de facilitar o cumprimento das metas de longo prazo de neutralidade carbónica, em linha com as orientações do Pacto Ecológico Europeu e com o desafio estratégico do Governo relacionado com a resposta às alterações climáticas.

A estratégia centra-se em cinco eixos: inclusão (objetivo de garantir o acesso às tecnologias digitais para todos, incluindo aqueles que já deixaram a educação e a formação), educação (foco na literacia digital e nas competências digitais para a educação, bem como na aprendizagem ao longo da vida, envolvendo todos os agentes de educação), qualificação (foco na capacitação digital para o mercado de trabalho, incluindo formação profissional em competências digitais), especialização (promove a especialização e formação avançada em tecnologias digitais) e pesquisa (por exemplo, criação de novos conhecimentos e participação em programas e redes internacionais de pesquisa). No seguimento deste plano, o Instituto Piaget e a Huawei tomam a dianteira.

“O Instituto Piaget tem pautado a sua história pela resposta aos diferentes desafios colocados pela sociedade. A crescente transição digital verificada a nível global, com níveis de implementação diferenciada por área ou setor económico, tem promovido a adaptação do Instituto em termos de oferta educativa e de serviços. A estratégia de evolução para modelos mais ágeis e dinâmicos é inerente à instituição de forma global e, em particular, à Escola Superior de Tecnologia e Gestão”, afirma Ricardo Santos, diretor da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Instituto Piaget.

O responsável refere que “na premissa de resposta aos desafios digitais existentes e que se preveem no curto/médio prazo, a ESTG pretende dotar os seus alunos e colaboradores dos meios necessários para se diferenciarem no mercado. A parceria com a Huawei pretende catapultar a instituição para níveis de serviço de excelência que permitam a implementação do seu projeto educativo. A criação de um smart campus em Almada é um primeiro passo na estratégia definida, dotando-se de infraestruturas capazes de promover a investigação e o desenvolvimento tecnológico, que integre os diferentes stakeholders. A possibilidade de virmos a ser pioneiros em determinadas áreas tecnológicas (adoção do 5G, investigação em inteligência artificial, implementação de mecanismos de cibersegurança) é uma das razões pelas quais optámos pela Huawei, sendo este apenas o primeiro passo no plano definido – o alargamento a todos os campus do Instituto Piaget no país será o próximo passo, com a disponibilização dos serviços tecnológicos às diferentes áreas de investigação existentes (saúde, educação, desporto e gestão, entre outros)”.

Rui Silva, head of channel education & public sector – enterprise business group da Huawei Portugal, destaca que “o projeto que estamos a desenvolver em conjunto com o Piaget, tendo como parceiro a Altice, terá o seu desenvolvimento ao longo do tempo. Pela própria natureza de um smart campus, este será sempre muito dinâmico e nunca poderemos verdadeiramente falar num fecho de projeto, pois as possibilidades que são oferecidas são infindáveis e que vão desde a transformação da experiência do aluno enquanto utilizador dos serviços e infraestruturas do Piaget até à gestão inteligente e mais eficiente da energia nos edifícios que compõem o campus”. “Assim, este projeto será concretizado em diferentes fases. A primeira diz respeito a fazer evoluir as infraestruturas existentes na área de switching e wi-fi, dotando-as de capacidade para fazer face não só à quantidade de utilizadores existentes, mas também para precaver um aumento significativo, durante os próximos anos, do volume de dados. Estes utilizadores serão não só os alunos, mas também professores e todos os potenciais utilizadores e dispositivos a partir dos quais poderemos recolher ou fornecer dados dentro do campus”, explica.

Rui Silva refere que “ao longo do tempo e de forma conjunta e planeada iremos introduzir novas funcionalidades, tirando partido das infraestruturas que iremos implementar nesta fase e à medida que o Piaget for disponibilizando serviços para os seus alunos, professores, administrativos e visitantes que possam enriquecer a experiência destes enquanto utilizadores do campus”. “A infraestrutura na qual estamos a trabalhar agora é apenas uma das componentes que sustentam um smart campus pois, em paralelo, existem outros investimentos que terão de ser equacionados noutras tecnologias como cloud computing, HPC, big data, IoT, inteligência artificial, machine learning, realidade aumentada ou realidade virtual. A nossa proposta de valor no imediato contempla uma rede cablada com mais de 25 equipamentos de switching e uma rede wi-fi 6 com mais de 66 access points para garantir a cobertura indoor e outdoor no espaço do polo de Almada. No âmbito do projeto está prevista a interligação dos campus de Viseu, Vila Nova de Gaia e Silves ao longo dos próximos anos, de forma a criarmos um smart campus único com gestão centralizada, como se de um campus único se tratasse”, afirma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *